AVENTURA DE APRENDER

Site da Alefe

BLOG

Todas as novas publicações serão postadas nesta página. 

view:  full / summary

A MENINA QUE NAO SABIA LER

Posted by aventuradeaprender on May 4, 2017 at 10:30 PM Comments comments (0)
RESENHA DE LIVRO



A menina que não sabia ler (lido em 2017)

Autor: John Harding



1891. Nova Inglaterra. Em uma distante e escura mansão, onde nada é o que parece, a pequena Florence é negligenciada pelo seu tutor e tio. Guardada como um brinquedo, a menina passa seus dias perambulando pelos corredores e inventando histórias que conta a si mesma, em uma rotina tediosa e desinteressante. Até que um dia Florence encontra a biblioteca proibida da mansão. E passa a devorar os livros em segredo. Mas existem mistérios naquela casa que jamais deveriam ser revelados. Quem eram seus pais? Por que Florence sonha sempre com uma misteriosa mulher ameaçando Giles, seu irmão caçula? O que esconde a Srta. Taylor? E por que o tio a proibiu de ler? Florence precisa reunir todas as pistas possíveis e encontrar respostas que ajudem a defender seu irmão e preservar sua paixão secreta pelos livros - únicos companheiros e confidentes - antes que alguém descubra quem ousou abrir as portas do mundo literário. Ou será que tudo isso não seria somente delírios de uma jovem com muita imaginação?



Quem narra a história é uma criança de 12 anos chamada Florence. Ela conta que a mãe morreu no parto, e o pai e a madrasta (mãe de seu irmão mais novo, Giles) desapareceram em um acidente. Desde então eles moram na casa do tio que nunca viram e são cuidados apenas pelos empregados. Ela é proibida de aprender a ler porque segundo conseguiu descobrir uma ex-mulher do tio o deixou quando se tornou instruída e ele ficou traumatizado passando a ser contra a educação de mulheres.



Só que quando Florence descobriu a biblioteca fechada da casa ficou fascinada e aprendeu a ler sozinha. Depois ela conta que achou um álbum de família com a mãe de Giles com o rosto recortado e com o pai deles que parece demais com o tio e entende que são gêmeos. Florence e Giles são inseparáveis até que o irmão caçula precisa ser mandado para a escola em regime interno e ela fica triste por estar sozinha e muito preocupada com ele. Então ela recebe a visita de Theo, seu vizinho que tem asma, e é apaixonado por ela. No começo ela não gosta porque muda sua rotina e diminuí bastante o seu tempo de leitura, mas ao longo do livro formam uma boa amizade.



Quando Giles é expulso da escola o tio decide que ele deverá ser educado em casa. Logo chega uma preceptora que morre em um passeio no lago, mas Florence não conta quase nada sobre isso. A partir daí a história começa a ficar estranha porque chega uma nova preceptora chamada senhorita Taylor e ela sente medo porque entende que a moça não é quem diz ser. Ao juntar evidências descobre que a mulher quer fazer mal ao irmão dela, mas não sabe o que. Ao mesmo tempo em que é seguida por ela pelos espelhos da casa e percebe que ela tem poderes especiais entende que é um fantasma que quer sequestrar o irmão e tudo piora ainda mais quando Florence acha duas passagens de trem pra Europa.



Então começa a formular um plano pra impedir isso. Chega a contatar até mesmo o policial responsável pelas investigações da morte da outra preceptora que ao investigar a tal Taylor descobre que ela realmente não tem referências e sempre procurou emprego naquela casa. Com a ajuda de Theo ela formula um plano que não sabemos qual é.



Pode até parecer que estou contando muito e dando spoilers, mas tudo isso acontece nos primeiros capítulos do livro. Agora vou fazer apenas mais alguns comentários. Aprendi com Agatha Christie que nunca devemos confiar em um narrador-personagem porque ele sempre conta a história do seu ponto de vista. No caso desse livro quem conta é Florence e ela conta do jeito dela que ao longo da história se mostra não ser confiável. Cuidado! Estou avisando...



Sempre quando leio ou vejo um filme gosto de pesquisar para confirmar minhas impressões ou entender algo que não entendi (acho que já falei isso aqui). No caso desse livro não foi diferente e minhas piores suspeitas foram totalmente confirmadas. Vi muitos comentando até mesmo que o nome do livro “A menina que não sabia ler” não faz sentido, mas faz. Significa que ninguém acreditaria no que ela é capaz já que pra todos é apenas uma menina que nem sabe ler.



Nas minhas pesquisas também descobri que esse livro é baseado em “A volta do parafuso” de Henry James do século XIX. Então esqueça uma literatura infanto-juvenil. Trata-se de uma história de terror no estilo Edgar Alan Poe, Stephen King e outros do gênero. Apesar de ler esperando um infanto-juvenil não posso dizer que não gostei porque gosto de ser surpreendida.



Spoiler:



Florence deixa Theo morrer, dopa Giles e ainda por cima joga a senhorita Taylor dentro do poço. Depois faz tudo pra encobrir o que fez. Já suspeitava, mas pesquisando comprovei de que Florence na verdade era totalmente psicopata, o tio era o pai deles e a senhorita Taylor a mãe do irmão caçula. Ela era obcecada pelo menino que queria só pra ela e por isso fantasiou todos os aspectos de perseguição sobrenatural. Fica claro também que ela matou a primeira preceptora e isso explica o porquê praticamente nada é narrado sobre ela. Realmente me enganou direitinho e o título do livro quer dizer que ninguém suspeitaria dela já que era apenas uma garotinha órfã e inocente que todos achavam que não sabia nem ler.

ZUMBI GOSPEL

Posted by aventuradeaprender on April 17, 2017 at 9:05 PM Comments comments (0)

RESENHA DE LIVRO



Zumbi gospel (lido em 2017)

Autor: Thiago Marques


O cristianismo brasileiro vive a "onda gospel". Fazemos de tudo desde que a palavra gospel esteja envolvida, então vieram: Música Gospel, Moda Gospel, Teatro Gospel, Cinema Gospel, Stand Up Gospel, Balada Gospel e por aí vai. Este livro irá mostrar mais uma das faces deste mundo gospel, o zumbi, que habita em nossas igrejas morto para as coisas de Deus e vivo para as coisas do Mundo!

Baseado na parábola do filho pródigo, o livro traz a história real de dois jovens que vagaram como zumbis dentro da nossa igreja, sem que ninguém descobrisse que por trás da cara de santidade havia um interior podre. Com absoluta certeza, essa história também pode estar acontecendo na sua igreja, com um amigo, com um filho ou com você! Os segredos aqui revelados irão ajudar adolescentes, jovens, pais e pastores a ressuscitar estes zumbis. Nós temos o antídoto e muito mais. Com certeza você irá se surpreender.



Eu ouvi falar desse livro através de uma irmã da igreja em uma lição da célula sobre o filho pródigo. Achei interessante e peguei emprestado para ler.



Pelo título pensei fazer referência à igreja de Sardes do Apocalipse (período chamado Renascimento ou reforma) porque lá a descrição feita por Cristo é literalmente de mortos-vivos (zumbis). Entretanto, essa passagem nem é citada porque é um livro bem adolescente mesmo.



“O zumbi gospel é aquele crente que se veste e fala como crente, conhece a Bíblia, vai à Igreja, mas está morto por dentro.”



O livro é curto, mas bem interessante. O autor (Thiago) faz uma pequena introdução sobre ele e um amigo (que ele chama de Fabinho). Ele nunca saiu da igreja, mas seu amigo se envolveu com um namoro virtual e abandonou a congregação.



Então explica que um zumbi gospel é a pessoa que está na igreja fingindo ser crente, mas vivendo como mundano e que muitas vezes são piores do que aqueles que realmente saem porque esses pelo menos todos sabem que estão desviados e o zumbi consegue enganar.



Depois dá o exemplo da parábola do filho pródigo e que ambos eram perdidos. O filho caçula saiu de casa porque queria ser mundano e o mais velho ficou. Entretanto, no fundo parecia invejar o irmão que teve coragem de sair porque também não tinha prazer na companhia do pai.



Há alguns capítulos com orientações para os pais vigiarem o que os filhos fazem às escondidas porque podem ser zumbis. Chega a dizer até que a maioria dos adolescentes e jovens que trabalham ajudando na igreja só fazem isso como desculpa pra matarem cultos e não ouvirem pregações. Espero que isso não seja verdade e sim apenas alguns casos isolados...



No meio do livro ele conta a própria história de forma completa. Diz que foi criado na igreja, mas nunca teve um compromisso com Deus. Apenas fingia que era cristão e desde a infância pecava escondido, mas fingia saber tudo da Bíblia e trabalhar na igreja só pra impressionar. Na adolescência e juventude ficou pior porque se envolveu até o pescoço com pornografia junto com os colegas e também virtualmente. Até que arrumou uma namorada que acabou se convertendo de verdade e por amor a ela decidiu mudar em um retiro da igreja. Eles se casaram e hoje ele trabalha com adolescentes na mesma situação.



Depois conta parte da história do Fabinho que realmente saiu da igreja, mas morreu com um câncer terminal dias depois de ter se reconciliado com Cristo através do autor do livro. Da história dele logicamente não são dados muitos detalhes...



No final há um capítulo com uma oração por aqueles que por traumas de família não reconhecem a Deus como Pai.


 

Não pude deixar de me identificar um pouco porque também fiquei meio assim. Mesmo não tendo caído em pecados desse tipo nem me fingido de cristã. Só que buscava aprender tudo de Bíblia apenas para impressionar os outros e, além disso, gostava apenas das pregações expositivas (corria de vigílias e pregações temáticas narrativas) para saber da Bíblia sem precisar ler nada. Triste época... Mas eu tenho consciência que era cristã de verdade e apenas tive uma recaída. Só que o autor do livro deixa claro que desde criança fingia.

SOFRIMENTO: SUAS SETE CAUSAS

Posted by aventuradeaprender on April 12, 2017 at 10:15 PM Comments comments (0)

RESENHA DE LIVRO


Sofrimento: suas sete causas (lido em 2017)

Autor: Delcio Meireles



Quantos de nós já não nos indagamos algum dia: "Por que sofremos? E Deus Quem envia o sofrimento? Ou será que o adversário é o autor de todo e qualquer sofrimento?" Entre os assuntos mais complexos que enfrentamos nesta vida, o sofrimento é um dos mais misteriosos e que menos entendemos. E, certamente, inúmeros problemas seriam evitados se conhecêssemos suas causas.



Eu comprei os livros do irmão Delcio Meireles através do perfil “Edições Ruiós” no facebook. Esse livro não fazia parte do catálogo da editora porque está esgotado. Entretanto, Deus me presenteou com ele em um saldão de uma loja aqui da minha cidade.


 

O autor explica que os descrentes e até mesmo alguns cristãos sem discernimento tentam explicar o sofrimento através do ateísmo (Deus não existe), fatalismo (acontece porque tem que acontecer/ Deus é a causa do problema) e dualismo (o bem e o mal brigam de forma igualitária sem possibilidade de saber quem vai vencer). Logicamente essas teorias falham porque são humanas e não tem nenhuma base bíblica.



Esse é o tipo de livro que de tão tremendo dá vontade de copiar tudo. O irmão Delcio faz uma análise do que considera as sete causas de sofrimento na vida de cristãos e não cristãos a partir dos exemplos bíblicos. São eles:



1 – O sofrimento orgânico e hereditário

2 – O sofrimento penal e judicial

3 – O sofrimento voluntário e vicário

4 – O sofrimento permissivo e justificativo

5 – O sofrimento corretivo e disciplinar

6 – O sofrimento educativo e preparatório

7 – O sofrimento demoníaco e opressivo


 

Algumas frases:



“A mesma lei que opera o bem quando obedecida, opera o mal quando invertida.”


“Aquele que pratica o mal sofre os danos da penalidade como forma de retribuição.”


“Os atos devem ser praticados primeiro para depois serem retribuídos, e os planos mais amplos de retribuição devem acontecer na vida além.”


“As penalidades eternas são abolidas, enquanto que as temporais permanecem.”

 

“Todos os que almejam maior comunhão com Deus e serviço mais amplo aos homens, devem passar por esse tipo de sofrimento.”

 

“Aceitar voluntariamente a cruz é o caminho para se obter a coroa”


“Madeira, fogo e palha não resistem ao fogo do julgamento divino.”


“Todo filho de Deus pode se esquivar do serviço e não perder a dádiva da salvação, mas o galardão pelo serviço será perdido.”


“Não somos movidos por nossa segurança, mas por nosso desejo de dar frutos. Isso envolve auto-negação.”


“Os filhos de Deus podem passar por provas cujas causas eles desconhecem totalmente. Esse tipo de sofrimento tem como alvo provar ao inimigo que o Senhor pode ser amado, adorado e servido por Seus filhos, ainda que Ele seja o único bem que possuam.”


“Jó não sofreu por seu pecado; ele pecou por ter sofrido.”


“Pensamos que somos ou possuímos algo, até que na Luz de Deus nós vemos que, na verdade, nada somos.”


“Nas trevas mais profundas da noite sem estrelas é que os homens aprendem como segurar na Mão oculta mais firmemente e como está mesma Mão os segura.”


“O Senhor vê o que não vemos e conhece a estrada que devemos seguir e que nos conduzirá ao centro da Sua Vontade que é boa, agradável e perfeita!”


“O Espírito Santo atua na consciência do desviado visando sua restauração. Caso ele não ouça Sua voz depois de algumas admoestações, o tratamento será mudado.”


“O coração do nosso Pai é grande demais e por isso, enquanto houver esperança para os perdidos, Sua misericórdia suspenderá o julgamento e o Senhor os castigará em Seu longo sofrimento (longanimidade), visando conduzi-lo ao verdadeiro arrependimento.”


“Só o fogo da disciplina pode remover a escória do ouro e da prata.”

 

“Não se esqueça que o diabo também é cirurgião, mas seus métodos são anormais e paliativos... ele nos ministra narcóticos, sedativos ou intoxicantes; nos coloca para dormir ou nos envolve numa vida de prazeres agradáveis e vertiginosos para que esqueçamos nossa doença. O diabo não pode curar nunca. Podemos passar toda a vida dependendo dele, mas vamos apenas piorar.”


O Senhor (Jesus), como habilidoso cirurgião que Ele é, às vezes precisa usar o método destrutivo.”


“Alguns tipos de desobediência podem ocasionar até a perda da própria vida física.”


“A Graça visa redimir e restaurar aqueles que são insubordinados e rebeldes, a fim de que possam se submeter ao método governamental de Deus.”


“O Espírito Santo começa então a mostrar-nos nosso erro, permitindo que venha sobre nós, primeiro a fraqueza, depois a doença, e finalmente a morte.”


“Confesse logo!”


“Se temos que experimentar altos níveis de calor em nossas provas, é porque o Senhor considera-nos como materiais preciosos.”


“O que o Senhor busca através do sofrimento educativo e preparatório é a própria imagem de Cristo em nós.”


“Não temos uma mente preparada para sofrer. O que realmente desejamos é gozar as coisas boas desse mundo.”

 

“Infelizmente, só aprendemos a humilharmo-nos depois de sermos humilhados.”


“O Senhor permite que nossos planos fracassem e que nossos esquemas falhem. Quando isso acontece, perdemos a confiança em nós mesmos.”


“Precisamos passar pelo sofrimento se queremos aprender a simpatizar com as aflições dos outros.”


“Muitas pessoas entram em contato com o mundo espiritual sem saber o que estão fazendo.”

 

“Satanás sabe como exagerar nossas fraquezas visando destruir nossa utilidade.”


“Muitos sofrem por não identificar a mão do inimigo”

A BENCAO DA TRAICAO

Posted by aventuradeaprender on April 11, 2017 at 10:45 AM Comments comments (0)

RESENHA DE LIVRO



A benção da traição (lido em 2017)

Autor: H. L. Roush



Nosso SENHOR foi traído. Muitos homens usados por Deus também experimentaram essa dor. O que o Senhor quis operar através disso? Uma grande bênção na vida de todos eles. E não será diferente conosco.


“A experiência debilitante de ser traído pelos próprios amigos e amados necessariamente virá à vida de cada crente. Abel foi traído pelo seu irmão único, Esaú pelo seu irmão gêmeo, Isaque pelo seu filho, Urias pelo rei em quem confiava e pela sua bela esposa, Jesus por Seu discípulo dedicado, Paulo por falsos irmãos. Creio que todo homem em quem Jesus habita terá nesses últimos e terríveis dias o seu próprio Judas particular (...). Além disso, traição é a experiência comum de todo homem que Deus já usou em qualquer época para a Sua glória.”



No livro o autor conta a experiência que passou ao ser traído por alguém que ele considerava o melhor amigo. Diz que ficou muito triste e questionou a Deus, mas Ele mostrou que isso seria benção no futuro assim como foi com Jesus que morreu na cruz para salvar a humanidade.



Então explicou que mesmo sabendo que Judas ia trair, Jesus o amou até ao fim. Ele fala também que Deus nos mostra quem está perto de nós e é falso, mas muitas vezes somos nós quem não queremos perceber. Realmente isso é verdade, mas o autor esqueceu-se de falar o caso da traição dos verdadeiros amigos como Pedro e os demais discípulos. Eu mesma já fui traída por irmãos verdadeiros.



Gostei quando ele explicou que a traição nos faz ser mais dependentes de Deus e olhar pra Ele ao invés de para as circunstâncias, que quando agimos assim Deus transforma o mal em bem. Outra parte excelente é quando o autor deixa claro que devemos amar aos nossos inimigos e que nossa experiência vai servir de testemunho para encorajar outros que passam pelas mesmas situações. Excelente! Só fiquei curiosa pra saber mais detalhes do testemunho dele.



É importante deixar claro que Deus não tenta ninguém e nem decreta o pecado das pessoas. O calvinismo rígido crê nisso, mas eu não sigo essa doutrina e até mesmo abomino tal tipo de pensamento. Só estou fazendo esse comentário por aqui porque essa resenha pode servir de base para inferir pensamentos desse tipo e isso não é verdade. Deus não provoca o mal, mas sabe como ninguém transformá-lo em bem para os Seus filhos.



Não apenas a Bíblia, mas a História da Igreja cristã como um todo está repleta de casos de traição. Irmãos que fundaram ordens religiosas e foram expulsos, padres desprezados pela própria comunidade, pastores e missionários que serviram há anos em alguma denominação e ficaram no fim da vida com dificuldades até para o sustento básico. O irmão Delcio Meireles, em suas pregações, conta uma parábola para ilustrar essa situação: é como um homem que ajudou com todos os recursos a fundar uma empresa e depois foi expulso não podendo ser tratado nem como serviçal.


Precisamos estar preparados para isso porque nosso reconhecimento muitas vezes não virá dos homens, mas de Deus e na grande maioria das vezes não será nem nessa terra e sim no Reino vindouro.



“As nossas experiências pessoais não são tão pessoais ou particulares quanto geralmente imaginamos. O que sucede nas nossas vidas como membros do Corpo de Cristo tem o propósito de trazer conforto e apoio a outros. Acontece a nós porque é a herança mútua dos membros do Corpo de Cristo compartilhar dos sofrimentos da Cabeça.”



“Creio que todo homem em que Jesus habita terá nesses últimos e terríveis dias o seu próprio Judas particular, pois no dia de engano e falsificação será proeminente o irmão falso.”



“Quantos santos têm sobrevivido aos ataques exteriores apenas pra caírem, feridos mortalmente por amargura, ressentimento, malícia e um coração que não perdoa.”



“Damos muitas vezes mais glória ao diabo, ao mundo e à carne nas circunstâncias das nossas vidas do que merecem. Culpamos os nossos inimigos quando somos esbofeteados, mas recebemos grande paz e quietude de coração quando nos recusamos a reconhecer causas secundárias nas nossas vidas.”



“Nem todos gozam o privilégio de conhecer a agonia da traição, cuja finalidade é levar-nos a participar, em alguma medida, da profundidade do Amor de Cristo.”

MINIATURISTA

Posted by aventuradeaprender on April 5, 2017 at 11:15 PM Comments comments (0)
RESENHA DE LIVRO


Miniaturista (lido em 2017)

Autora: Jessie Burton



No outono muito frio de 1686, Nella Oortman, de 18 anos, chega em Amsterdã para começar uma nova vida como esposa do ilustre comerciante Johannes Brandt. Mas sua nova casa, apesar de esplendorosa, não é acolhedora. Johannes é gentil, porém distante; sempre trancado em seu escritório ou no depósito onde guarda seus produtos, deixa Nella sozinha com a irmã dele, a maliciosa e ameaçadora Marin. A jovem não consegue se aproximar do marido e parece que o casamento nunca será consumado.


Mas o mundo de Nella muda quando Johannes lhe dá um extraordinário presente de casamento: uma réplica da casa deles em miniatura. A maquete é exatamente como a casa em que moram, com os mesmos quadros, tapeçarias e objetos de arte. Para mobiliar a casinha, Nella contrata os serviços de um miniaturista — um artista furtivo e enigmático, cujas criações são cópias perfeitas dos móveis e objetos da casa. O artesão envia a Nella ítens finamente talhados, alguns que nem sequer foram requisitados, e bonecos que repetem e algumas vezes predizem os acontecimentos da cada vez mais estranha vida de Nella na casa.

 

O presente de Johannes ajuda a esposa a compreender o mundo da família Brandt, mas, à medida que ela descobre seus segredos, começa a temer os perigos crescentes que os cercam. Nessa sociedade religiosa e repressiva, em que o ouro só é menos venerado que Deus, ser diferente é uma ameaça às morais e nem um homem como Johannes está livre. Apenas uma pessoa parece capaz de enxergar o futuro que os aguarda. Seria o miniaturista a senha para a salvação ou o arquiteto da destruição?



Esse livro aparentemente é um suspense de mistério, mas está mais para um romance histórico. Só que mesmo assim os elementos de suspense estão bem presentes e apesar das descrições super detalhadas e do começo ser um pouco lento a leitura é bem agradável. Outra coisa que me chamou bastante atenção é o forte conteúdo religioso no pior sentido da palavra. Seria eufemismo eu dizer que senti vontade de vomitar.



“Quando conhecemos realmente uma pessoa, Nella, quando enxergamos além dos gestos mais amáveis, dos sorrisos, quando vemos a raiva e o medo patético que cada um de nós esconde, então o perdão é tudo. Todos nós precisamos desesperadamente disso. E Marin… Marin não sabe perdoar.”



“— Vocês duas estão fazendo muito barulho — adverte Marin. — Por favor, lembrem que as pessoas estão sempre olhando.”



Petronella (Nella) morava em um vilarejo chamado Assendelft com sua família em boa situação financeira, mas o pai se envolve com jogos e morre deixando a família endividada. Pensando em garantir o futuro da filha, a mãe arranja seu casamento com um comerciante rico chamado Johannes. Eles se casam às pressas e a mudança é marcada para meses depois. Só que, como diz na sinopse, o casamento não se concretiza porque ele nem a toca. Na primeira parte do livro vemos sua frustração que só aumenta quando recebe a tal casa de bonecas pra ter com o que se ocupar.



Entretanto, depois dessa parte um a um os segredos começam a ser desvendados. Não posso falar muito aqui para não dar spoiler, mas tanto Nella quanto nós veremos que nada é o que parece. No meu caso não causou tanto espanto porque como conheço o purtitanismo calvinista já esperava por aquele tipo de coisa. Quanto ao segredo do miniaturista vi muitas críticas de que não ficou bem explicado, mas pelo menos pra mim a explicação foi clara e brilhante.



"Ao me mostrar minha própria história, reflete Nella, a miniaturista se tornou autora dela. Gostaria muito de poder recuperá-la."



Como eu já disse, o que me deixou mais chocada foi o comportamento protestante puritano antigo. Conhecemos isso atualmente com o nome de legalismo. Da mesma forma que os fariseus, as pessoas buscam aprovação de Deus e da sociedade através da obediência às leis, muitas vezes extra-bíblicas e pouco (ou nenhum) espaço há para o Amor a Deus e ao próximo. O resultado disso é: todos aparentando bondade e santidade, mas com as vidas podres e caindo por dentro. Pessoas que dizem amar a Deus, mas no fundo apenas têm medo e raiva d’Ele. Até mesmo o pastor demonstra satisfação ao ver os pecados das pessoas sendo revelados. Vizinhos que espionam uns aos outros pra enxergarem nos outros os pecados que tentam esconder em si mesmos. Realmente muito triste...



"Acaso pode sair água doce e água amarga da mesma fonte?"



“— Você coloca essa fantasia de manhã, Pieter Slabbaert — diz Johannes. — E você também, Frans Meermans. E ambos escondem seus pecados e suas

fraquezas em uma caixa sob a cama, e esperam que, deslumbrados com suas vestes, nos esqueçamos deles.”



Outro ponto interessante é o desprezo pelo catolicismo que eles chamam pejorativamente de “papistas” e o quanto a religião juntamente com o Estado queriam controlar até mesmo o que as pessoas comiam! Parece que Nella era católica em sua cidade natal porque teve uma hora que ela diz que o sacerdote da infância dela e os pastores de onde estava concordavam em que homossexualismo é uma abominação. E como eu, também ficou muito triste com a falsa religião calvinista que eles seguiam e teve muita piedade deles entendendo que só teriam a oportunidade de redenção através do sofrimento porque é através dele que poderiam conhecer a si mesmos por trás da aparência de falsa santidade e piedade. Jesus poderia libertar, mas jamais toda aquela opressão religiosa que mais fazia piorar tudo!



“— Quando conheci você — começa ela, desesperada para se livrar daquela tristeza —, não se importava com a Bíblia, com Deus, com culpa, pecado nem vergonha.

— Como sabe que eu não me importava?

— Você não ia à igreja, se irritava com as orações de Marin, e comprava muitas coisas. Comia bem, desfrutava os prazeres que podia ter. Era seu próprio deus, arquiteto do seu destino.

Ele sorri, gesticulando para as paredes ao redor.

— E veja só o que construí.”


 

Vejam o trecho de um culto:



“O pastor Pellicorne se posiciona diante do púlpito. É alto, tem mais de cinquenta anos, barba bem feita, o cabelo grisalho, curto e elegante, o colarinho largo e de um branco brilhante. Sua aparência sugere que ele tem um grupo de criados atentos. Pellicorne não perde tempo com introduções: — Hábitos abomináveis! — brada ele, se dirigindo aos cães e às crianças, aos pés que se arrastavam e ao monte de gaivotas do lado de fora. O silêncio cai sobre o recinto, todos os olhos voltados para o pastor, menos os de Otto, que baixa a cabeça, concentrado em seus dedos entrelaçados. Nella olha para Agnes, cujos olhos estão erguidos na direção de Pellicorne, como uma criança fascinada. “Ela é tão estranha”, pensa. Em um minuto tão loquaz e arrogante, no outro tão infantil e empenhada em impressionar. — Em nossa cidade há muitas portas fechadas, e não podemos ver o que há atrás delas — continua Pellicorne, duro e impiedoso. — Mas não pensem que podem esconder seus pecados de Deus. — Os dedos finos apertam a beirada do púlpito. — Ele os descobrirá — sentencia, acima das pessoas. — Não há nada escondido que não vá ser revelado. Os anjos do Senhor olharão pelas janelas e pelo buraco da fechadura de seus corações, e Ele os julgará por seus atos. Nossa cidade foi construída sobre um pântano, nossa terra já sentiu a ira de Deus antes. Triunfamos, trouxemos a água para o nosso lado. Mas não descansem agora… Foi a prudência e a boa vontade para com o próximo que nos ajudaram a triunfar. — Sim — grita um homem na multidão. Um bebê começa a chorar. Dhana solta um ganido e tenta se enfiar debaixo da saia de Nella. — Se não segurarmos firme as rédeas de nossa vergonha — diz Pellicorne —, voltaremos todos ao mar. Sejam honrados em favor de nossa cidade! Olhem dentro de seus corações e pensem em como pecaram contra seu vizinho, ou como seu vizinho é um pecador! Ele faz uma pausa de efeito, ofegante em sua retidão. Nella imagina a congregação abrindo as costelas de todos, olhando a confusão pulsante em seus corações pecadores, espiando cada um dos corações antes de fecharem seus corpos. No canto da igreja, um estorninho bate as asas. “Alguém deveria deixá-lo sair”, pensa ela. — Eles sempre ficam presos — sussurra Cornélia. — Não permitamos que a fúria do Senhor nos machuque outra vez. — Há diversos grunhidos de concordância vindos da congregação e, a essa altura, a voz de Pellicorne está ligeiramente trêmula de emoção. — É a cobiça. A cobiça é o vício que temos que combater… a cobiça é a árvore e o dinheiro é sua raiz profunda! — O dinheiro também comprou esse seu belo colarinho — murmura Cornélia. Nella fica sem ar, tentando não rir. Ela arrisca um olhar para Frans Meermans. Enquanto a atenção da esposa está voltada para o púlpito, ele observa os Brandt. — Não devemos nos enganar achando que dominamos o poder dos mares. — Pellicorne modula sua voz em um sussurro insistente, tranquilizante, antes de tocar na ferida. — Sim, a generosidade de Mamon se mostrou para nós, mas um dia irá afundar a todos. E onde vocês estarão nesse dia fatídico? Onde? Atolados até o pescoço em doces açucarados e tortas de frango gordurosas? Cercados de sedas e colares de diamantes? Cornélia suspira. — Quem dera — comenta. — Quem dera… — Cuidado, cuidado — alerta Pellicorne. — Esta cidade floresce! O dinheiro dela lhes dá asas para voar. Mas ele é um jugo em seus ombros e vocês deveriam perceber o hematoma que cria em volta do pescoço. Marin estreita os olhos com força, como se fosse chorar. Nella torce para que seja apenas um tipo de êxtase espiritual, uma entrega ao poder das sagradas palavras de advertência de Pellicorne. Meermans ainda está olhando. Marin abre os olhos e percebe isso, então seus dedos apertam ainda mais o livro de Salmos. Ela se mexe no assento, o sofrimento estampado no rosto de cera. A garganta de Nella está seca, mas ela não ousa tossir. Pellicorne está chegando ao clímax e os corpos da congregação se aproximam, tornando-se mais compactos, alertas. — Adúlteros. Homens do dinheiro. Sodomitas. Ladrões — grita o pastor. — Tomem cuidado com todos eles, procurem por eles! Avisem seus vizinhos se a nuvem do perigo estiver se aproximando. Não permitam que o mal atravesse a porta de sua casa, pois, uma vez que o vício chega, é difícil acabar com ele. O chão sob nossos pés se desintegrará, a fúria de Deus cairá sobre nossa terra. — Sim — diz o homem na multidão. — Sim! Dhana late, cada vez mais agitada. — Quieta — sussurra Cornélia. — O que vocês podem fazer para expulsá-lo? — brada Pellicorne, voltando à carga total, os braços abertos como o próprio Cristo. — Amor. Amem seus filhos, pois eles são as sementes que farão esta cidade florescer! Maridos, amem suas esposas, e, mulheres, sejam obedientes, por tudo que é bom e sagrado. Mantenham suas casas limpas, e suas almas seguirão o exemplo! Ele termina. Há suspiros de alívio, sons de concordância, um despertar e esticar de pernas. Nella começa a ficar zonza. A luz brilha nas lápides. Sejam obedientes. Maridos, amem suas esposas. Você é a luz do sol que atravessa a janela, sob a qual me posto, aquecido. Minha querida. O bebê chora outra vez, e Nella e Marin olham ao mesmo tempo enquanto a mãe tenta, sem sucesso, silenciá-lo, afastando-se da congregação e saindo pela porta lateral da igreja. Nella segue o olhar de Marin, ambas fitando com inveja o breve quadrado de dourada luz do sol proporcionado pela saída da mulher. Neste intenso novo mundo de Amsterdã, nesta igreja fria da cidade, uma hora de adoração parece um ano.”



Spoilers:



Johannes é gay; o melhor amigo dele tem raiva por causa de um romance com Marin; só que na verdade era Marin que não quis casar com o tal e o irmão levou a culpa; Marin engravidou do criado da casa e escondeu a gravidez... Nesse meio tempo a miniaturista (que ela descobre ser uma mulher) continua mandando miniaturas das pessoas que Nella conhece que pressagiam o que iria acontecer. Depois descobrimos através da conversa com o pai que ela também chama Petronella e tem um dom que a faz conhecer a alma das pessoas, mas que várias mulheres da cidade também receberam as miniaturas. Realmente dom de Palavra de Conhecimento... No final Johanes morre afogado por ter sido denunciado pelo ex melhor amigo por sodomia e Marin morre no parto. O livro termina literalmente assim mostrando o quão inútil é uma religião sem Cristo e sem Amor!


 

“Não vou machucar você, Petronella, era a promessa de Johannes feita no barco a caminho da Guilda dos Prateiros. Ela sempre achou que gentileza se referia a uma ação. Mas deixar de fazer algo, um gesto de abstenção… isso também seria gentileza? Nella aprendera que a sodomia era um crime contra a natureza. Com relação a isso, há pouca diferença entre um pastor de Amsterdã e um sacerdote de sua infância em Assendelft. Mas quão certo é matar um homem por algo que está em sua alma? Se Marin tiver razão, e isso não puder ser retirado de Johannes, então qual o sentido de todo aquele sofrimento?”

TOME CUIDADO

Posted by aventuradeaprender on March 22, 2017 at 6:50 PM Comments comments (0)
DICA DE FILME


Tome cuidado (assistido em 2017)


Sarah Miller equilibra sua vida profissional com as tarefas da família, mas quando ela começa a receber textos e fotos em seu celular como ameaças, sua vida perfeita começa a se desfazer. Sem poder provar para a polícia as chantagens que está sofrendo, pois as mensagens são automaticamente apagadas depois de abri-las, Sarah decide descobrir sozinha quem está por trás de tudo isso.


 

Sarah tem a vida aparentemente perfeita ao lado do marido Kurt e da enteada Teri. Ela trabalha como publicitária em uma agência juntamente com sua secretária Julie. Entretanto, a empresa está passando por um momento de crise e demissões são anunciadas. É óbvio pra ela que tanto a secretária perfeitinha quanto o colega insuportável querem tomar o seu lugar. Além disso, ela desconfia que tanto Julie quanto uma vizinha estão interessados em seu marido.


Em meio a toda essa situação, Sarah descobre que está sendo seguida porque passa a receber pelo celular diversas fotos de sua rotina e, além disso, percebe que sua casa tem sido invadida porque o invasor faz questão de deixar suas marcas em pequenas alterações. Para ela, é mais do que óbvio de que tudo isso é pra deixá-la preocupada para não conseguir trabalhar direito e ser demitida. Ela até tenta chamar a polícia, mas como as fotos são enviadas por um aplicativo que apaga automaticamente nada pôde ser provado a não ser uma foto impressa que parece não representar ameaça alguma.


"O que angustia mais é a espera. Não o resultado.”


Sarah se vê sozinha sem a ajuda da polícia e até mesmo do marido que começa a desconfiar de que ela está paranoica. Por isso resolve investigar por conta própria pra tentar salvar seu emprego. Entretanto, isso é só o começo porque logo as ameaças ficam perigosas de verdade e colocam em risco a família que tanto ama. Ameaças de sequestro, bomba relógio, um carteiro que não trabalha no correio, um policial que busca ajudar e descobrem que morreu há cinco anos...


Enfim, vou parar de contar por aqui... Parece que estou dando spoiler, mas não estou. A verdade que o filme revela é mais chocante do que tudo o que possamos pensar e as surpresas serão inevitáveis. Entretanto, precisamos prestar bastante atenção se não é impossível entender todos os desdobramentos.


"As fotos não podem te machucar, mas as pessoas sim.”


Spoiler:


O tempo todo Sarah se faz de vítima, mas na verdade é a vilã. Ela é a chefe de um grupo de assassinos profissionais que gostava de fotografar suas vítimas mortas para se satisfizer. Entretanto, o grupo estava sendo investigado e ela formou uma família pra sair de cena. Só que um dos policiais que havia perdido o emprego por investigar o caso conseguiu encontrá-la e mostrar que ela não poderia fugir. Pra isso seguiu e mandou as fotos, se passou pelo chefe que havia morrido, se passou pelo funcionário do correio e tentou marcar com ela um encontro.

O filme realmente nos engana e o susto é garantido. A única hora em que dá pra desconfiar é quando Sarah fica brava com a enteada porque ela está brincando no armário. No final descobrimos que era ali que ela escondia sua arma e ficou com medo da garota achar. Fora isso, o engano é completo e total.

OS ESCOLHIDOS

Posted by aventuradeaprender on January 31, 2017 at 7:55 PM Comments comments (0)

DICA DE FILME




Os escolhidos (assistido em 2014)


A família Barret leva uma vida pacata e tranquila no subúrbio, mas isso começa a mudar quando uma série de estranhos e misteriosos eventos passa a fazer parte de sua rotina. A família acaba descobrindo que existe uma terrível e mortal força atrás dela e precisará lutar por sua sobrevivência.


A família Barrett é composta pelo pai Daniel, a mãe Lacy e os dois filhos. O mais velho: Jesse, e o mais novo: Sammy. Daniel está desempregado e por causa disso vive brigando com a sua esposa.


Eles tinham uma vida relativamente normal até que eventos estranhos começam a acontecer. No começo parecem mais brincadeiras e pouco tempo depois se tornam provocações e ataques diretos. O pai sempre acha que é coisa das crianças querendo chamar atenção. Entretanto, depois de ouvir interferências em uma gravação aceita ir com a esposa a um especialista.


Ele diz que a intenção dos extraterrestres é levar o membro da família que foi contatado primeiro e que quando esses fenômenos acontecem é porque já estão sendo observados há muito tempo.


"Existem duas possibilidades: ou estamos sozinhos no universo, ou não. Ambas são igualmente aterrorizantes."


O especialista também fala que a única forma de tentarem se salvar é manterem-se unidos porque eles gostam de separação e isolamento. Até nisso esses bichos são idênticos aos demônios porque um dos nomes do diabo é divisor e acusador.


Ele só erra quando explica que a escolha das entidades é aleatória. Não é! Eles só mexem com quem procura por ocultismo (abre a porta para demônios), quem vive em pecado deliberadamente (mata a consciência que ativa a Graça preveniente) e com os predestinados do mal (pessoas que os demônios acham que têm o direito porque os antepassados os serviram). É importante deixar claro que Deus dá a escolha pra todos e apenas o diabo gosta de anular o livre arbítrio. Até mesmo os “predestinados” podem escolher servir a Deus mesmo se tiverem contatos na infância (foi o que aconteceu comigo).


“Você acha que um rato de laboratório se pergunta o que ele tem de especial enquanto cientistas inserem ondas de choque em seu cérebro?”


Depois o filme mostra a família tentando sobreviver ao ataque, mas não conseguem porque eles não buscam refúgio em Deus que é o Único que poderia salvá-los. Ainda assim há uma surpresa de causar arrepios.


Apesar do filme não ser cristão mostra claramente como extraterrestres são malignos e agem da mesma forma que conhecemos ser típica dos demônios. É interessante notar a tradução do nome original: “Dark skies” = “Céus escuros”.


Pesquisando sobre o filme vi muitos comentários de que são as mesmas características vistas em filmes sobre espíritos, fantasmas e demônios. Isso mostra que as pessoas já estão percebendo que se trata de uma coisa só: demônios, anjos caídos, entidades do mal, espíritos malignos...


Muitos quando ouvem falar de demônios já têm logo aquela imagem de um ser vermelho, com chifres, rabo e um tridente. Entretanto, essa descrição não é real. Na verdade, eles são inteligências extraterrenas e totalmente malignas. O único intuito deles é se alimentar do nosso medo e dos nossos erros porque é só assim que conseguem atingir a Deus, nosso Criador: provocando nosso sofrimento e nos afastando d’Ele que é a Única fonte de Amor, bondade, perdão e Salvação.


Spoiler:


Todos (inclusive o expectador) pensam que o alvo é o filho mais novo porque é quem demonstra estar sendo contatado, mas na verdade é o mais velho que desde pequeno já dá sinais que ninguém notava como viver sempre doente e desenhar extraterrestres.

O VISITANTE

Posted by aventuradeaprender on January 30, 2017 at 7:55 AM Comments comments (0)

DICA DE FILME




O visitante (assistido em 2014)


Antioch. Há 3 anos Marian Jordan foi assassinada, sendo que os criminosos nunca foram encontrados. Isto fez com que o pastor Travis Jordan, seu marido, perdesse a fé em Deus. Subitamente milagres acontecem na pequena cidade. Michael Elliot, o filho de uma veterinária, Morgan Elliot, que recentemente chegou em Antioch, poderia ter morrido em um acidente de carro, mas não teve um arranhão. Coisas milagrosas como um paralítico andar, um tumor regredir e até mesmo o cão de Morgan, que fora enterrado, aparecer vivo. Em todos estes eventos três desconhecidos usando roupas pretas são vistos e Brandon Nichols sugere que ele possa ser Jesus Cristo. Os moradores de Antioch acharam que estes fatos eram um sinal divino e passam a venerar Nichols como um profeta, sem pensar que nem todo milagre é uma benção. Entretanto Travis e Morgan acham tudo muito estranho e resolvem investigar o que está ocorrendo na cidade.


Não tenho muito para falar da história porque a sinopse já diz praticamente tudo. Eu já havia assistido ao filme durante o meu período de quarentena por causa do acidente em 2008, mas decidi assistir de novo em 2014. Em 2008, infelizmente, acabou aguçando meu cessacionismo (descrença em milagres atualmente). Logicamente isso já ficou pra trás e sei o quanto eu estava errada.


Eu quis rever porque nos debates em um grupo de ufologia estávamos comentando que os sinais mostrados nos filmes para os ataques de alienígenas são idênticos aos mostrados em filmes sobre demônios e espíritos: interferências em equipamentos eletrônicos, alteração no comportamento das pessoas e dos animais, falsos milagres e prodígios... Eu nunca tinha reparado nesses detalhes específicos, mas depois percebi que na maioria dos filmes mostra todos esses sinais realmente. O último filme resenhado (sobrenatural) é outro dos inúmeros exemplos.


Apesar de o filme parecer ser um completo absurdo e exagero não é. Esse tipo de situação relatada acontece aos montes. Logicamente (e felizmente) a grande maioria se trata apenas de charlatanismo (hipnose, atores contratados, emocionalismo...) e não de coisas realmente malignas. Entretanto, ainda sim causam mal porque mata a fé das pessoas. E isso é algo que devemos combater tomando cuidado para denunciar os erros, mas amar os enganados por eles.


“Nem todo milagre é uma benção”


Nunca é demais dizer que falsos milagres e prodígios existem, mas também os verdadeiros. O diabo não perderia tempo em falsificar algo se não houvesse o real. Só fabricam bijuterias porque existem joias e ninguém perde tempo em falsificando uma nota de três reais porque elas não existem.


É oportuno comentar uma história que me causa arrepios e tem certa semelhança com os fatos do filme. No século XVII existiu um pregador puritano chamado Thomas Weir. O caso é tão absurdo que inspirou o autor de “O médico e o monstro”. Aliás, tudo o que se refere a essa época é muito nebuloso. Li em um estudo (que infelizmente só existe em inglês, mas dá pra entender pelo Google tradutor) que a história da igreja no chamado “Renascimento” é tão perversa e oculta que não está registrada em lugar nenhum. Sabemos poucas coisas, mas o suficiente pra tirar o sono de qualquer um.


O MÉDICO E O MONSTRO, E O PREGADOR SATANISTA: http://juliosevero.blogspot.com.br/2007/06/o-mdico-e-o-monstro-e-o-pregador.html


A SOCIEDADE SECRETA NA IGREJA DE SARDES: http://philologos.org/__eb-jki/tape05.htm


Pelo menos pra mim foi uma libertação porque finalmente pude entender as palavras tão duras que Jesus dirigiu pra igreja daquela época nas cartas em Apocalipse. Acho que aqui não é o momento nem o lugar adequado, mas confesso que tenho muita dificuldade em entender como alguém consegue ensinar sobre Deus e ainda assim adorar ao diabo. Esse tipo de coisa não entra na minha cabeça de jeito nenhum! Desculpem os termos, mas só gente muito burra pra fazer esse tipo de coisa. Só acredito porque está escrito na Bíblia e uma boa pesquisa em história fora dos meios oficiais revela tudo muito claramente. Além disso, já tive experiências pessoais gravíssimas nesse sentido e espero um dia ter coragem pra contar.


Spoiler:


Na verdade, o tal pregador não era profeta coisa nenhuma e sequer era cristão. Tratava-se de uma pessoa que com raiva de Deus faz um pacto com o diabo e todos os que supostamente foram curados além de terem a alma aprisionada aos demônios ainda ficaram pior depois de algum tempo.

SOBRENATURAL

Posted by aventuradeaprender on January 29, 2017 at 8:35 PM Comments comments (0)

DICA DE FILME




Sobrenatural (assistido em 2014)


Uma família, que acabou de se mudar para uma casa nova, descobre que um espírito do mal está dentro da casa ao mesmo tempo em que o filho do casal entra em coma de maneira inexplicável. Tentando escapar das assombrações e para salvar o menino, eles se mudam novamente e percebem algo terrível que os deixa desesperados: não era a casa que estava mal-assombrada.


Não se trata de um filme de terror como parece. Gostei muito de assistir, mas me frustrei um pouco porque não tem final.


O tema são as chamadas “viagens astrais”. Alguns podem pensar ser o inferno, mas não é. É como se fosse um mundo espiritual, mas só pessoas vivas são aprisionadas lá.


O problema é que, segundo o filme, se a pessoa está presa nesse mundo astral demônios tem legalidade pra possuir e usar o corpo na terra. Depois dessa explicação acompanhamos as tentativas da família de tentar fazer com que o menino acorde. No final ainda há uma surpresa que não vou contar pra não dar spoiler.


Logicamente esse filme não é cristão e tem muitos absurdos, mas a explicação do mundo astral é real e tem sido partilhada por vários irmãos nos últimos tempos. Isso explicaria também sobre certas experiências que dizem ser do inferno e biblicamente não fazem sentido. O problema é que muitos por falta de discernimento entendem tudo errado como uma adolescente que viu seus amigos vivos no inferno e entendeu que são predestinados à condenação e não deveria mais evangelizar. Na verdade o que ela viu era como os demônios estavam aprisionando-os por aqui mesmo, mas não foi capaz de discernir isso.


Esse filme é bem especial pra mim porque me ajudou a entender uma experiência que tive.


No dia 4 de dezembro de 2007 eu apresentei o trabalho de conclusão de curso do “Altas habilidades”. Após a apresentação começou a cair uma chuva torrencial. Então fiquei perambulando quase de forma automática pelos corredores da universidade ao mesmo tempo em que ouvia sem parar a frase “There's no time to change your mind” (essa é a música de um filme sobre o apocalipse que traduzindo significa “não dá mais tempo pra mudar de ideia”). No começo não entendi muito, mas logo reconheci a frase do filme. Então veio na minha mente vários alertas dizendo que não dava mais tempo, que eu havia feito minha escolha, que não teria mais como sair do caminho, que era impossível esquecer do que vivi e do que Deus falou, que tudo era o meu propósito e missão... Isso foi me oprimindo de tal forma que comecei a gritar com a alma: “Socorro! Não quero ficar aqui! Quero sair daqui!”. Na mesma hora veio o entendimento que se eu abandonasse realmente o caminho que vinha seguindo seria isso que aconteceria. Devo ter ficado cerca de uma hora e meia nesse estado até que a chuva passou e consegui voltar pra casa.


Essa experiência e nada foi a mesma coisa. Eu já tinha decidido abandonar tudo e focar apenas na igreja que já estava frequentando há uns 2 meses antes. Como quase tudo o que tinha a ver com o passado foi completamente esquecido, mas só lembrei quando assisti ao filme e por isso se tornou tão especial pra mim mesmo com todos os exageros. Sei que existe o segundo, mas não tive interesse em ver porque o roteiro é ainda mais absurdo.


Spoiler:


No final a exorcista faz com que o casal entenda que isso aconteceu com o menino porque havia acontecido com o pai, mas ele programou a mente pra esquecer tudo e agora os demônios voltaram pra completar o serviço na criança.

DEUS NAO ESTA MORTO

Posted by aventuradeaprender on January 28, 2017 at 8:15 PM Comments comments (0)

DICA DE FILME




Deus não está morto (assistido em 2014)


Quando o jovem Josh Wheaton entra na universidade, ele conhece um arrogante professor de filosofia que não acredita em Deus. O aluno reafirma sua fé, e é desafiado pelo professor a comprovar a existência de Deus. Começa uma batalha entre os dois homens, que estão dispostos a tudo para justificar o seu ponto de vista - até se afastar das pessoas mais importantes para eles.


Acredito que esse é um dos filmes cristãos mais conhecidos dos últimos tempos. Fez um relativo sucesso até mesmo entre não cristãos, mas também causou polêmica e insatisfação tanto no meio cristão quanto no secular. Algumas críticas logicamente são sem sentido, mas outras têm certa razão. Falarei sobre isso mais à frente. Quanto a mim assisti ao filme tanto em 2014 quanto na igreja ano passado (2016).


A sinopse do filme é exata em relação ao núcleo principal. Ela apenas não fala sobre os outros personagens aparentemente secundários, mas com muita importância. Temos uma banda cristã de sucesso; uma jovem que se converteu ao cristianismo pela internet de família muçulmana; um jovem chinês que começa a ter interesse por Cristo por causa dos debates; os dois pastores; a mulher que achava ter tudo e quando descobre que está com câncer se vê totalmente abandonada até mesmo pelo namorado que dizia ser apaixonado; o tal namorado que não vale nada e tem uma mãe com Alzheimer; a irmã dele que é cristã e tem um caso com o professor ateu. Se me lembro bem os personagens secundários são esses.


“Seu pecado é como uma cadeia. Só que tudo é lindo e confortável, não há necessidade de sair, a porta está aberta. Até que um dia, o tempo se esgota e a porta da cela se tranca. Então é muito tarde...”


Não vou dar muitos mais detalhes sobre o filme porque é bem famoso e fácil de encontrar. Um ponto que chamou minha atenção é que não é uma crítica ao ateísmo simplesmente (decisão de não crer). O problema está com aqueles que além de não crerem ainda querem que todos sejam iguais. Isso faz do ateísmo uma religião, o que um atentado à lógica. Outro ponto positivo é mostrar a perseguição que os cristãos sofrem tanto diretamente quanto indiretamente.


Vocês devem estar se perguntando então: qual é o problema? Os filmes cristãos atuais muitos são triunfalistas. A impressão que dá é que não estão sendo feitos tanto pra edificar ou evangelizar porque mostram situações irreais. Nisso não se diferem em nada da maioria dos filmes seculares que querem mostrar uma alternativa ao mundo real, uma fuga da realidade.


Não posso dar spoilers aqui, mas sabe quando a gente assiste e fala: “Poxa, que legal... Mas isso não pode acontecer”. É esse exatamente o caso. Além disso, ano passado descobri que esse filme é a refilmagem de um chamado “Teste de fé” de 1987. A história é idêntica, mas não é triunfalista. Mostra o mundo como ele é e cumpre exatamente o que prometeu. Já o argumento de “Deus não está morto” é igual ao de “Demônios do templo” (resenhado em 2008). Aquele lá sim é um filme de fantasia e humor com apenas uma alegoria cristã e não tem pretensão alguma de ser real. Em se tratando de realidade até mesmo “O anjo de Sardes” que tem literalmente um anjo como protagonista consegue ser mais verossímil.


Spoiler:


Confesso que ri bastante no final do filme quando Josh pergunta ao professor como ele pode odiar a Deus se não crê que ele existe. Já o final em que ele está morrendo e finalmente se converte é emocionante, mas como eu disse: não convenceria um ateu. Outra coisa que não convence nem ateus nem cristãos é toda a turma se convertendo. Isso não acontece nem em igreja...


Rss_feed

REDES SOCIAIS

EMAIL:   [email protected]